quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

ORDENAÇÃO SACERDOTAL E SUB-DIACONAL NA SOCIEDADE DO ESPÍRITO SANTO

  "Tudo o que fazeis, fazei-o na caridade" (1 Cor 16:14)

   O ano de 2020 para a jovem Sociedade do Espírito Santo foi repleto de perseguições mas também abundante de Graças. Alguns sacerdotes diocesanos, especialmente de Colômbia, onde o clero modernista já está mais do que avançado em sua obra de destruir o pouco aparente que resta de catolicismo na igreja conciliar, decidiram voltar ao catolicismo romano. Depois de certo tempo de complemento de formação, o Rev. Pe. Rafael Pardo, oSSSp (Oblato secular associado à Sociedade do Espírito Santo) recebe finalemente sua Ordenação sacerdotal (sub-conditione) das mãos de S. Excia. Rma. Mons. Georges McLaughin, SSSp no dia 13 de dezembro. Após sua ordenação, formar-se-á o distrito da Sociedade na América do Sul sob o nome de "Cristo Rei". Também estão em curso de formação mais dois 'sacerdotes' diocesanos do mesmo país. 

  Em continuidade também pode-se ver algumas fotos da ordenação sub-diaconal que seu servidor recebeu das mãos de S. Excia. Rma. Mons. Georges Mclaughlin, SSSp. Esta última cerimônia ocorreu durante a Santa Missa de Natividade do mesmo ano. 

  Ademais, pedimos orações por alguns seminaristas que estão sendo formados pela a Sociedade. Alguns já estão sendo formados por sacerdotes amigos da Sociedade em seus respectivos países, e outros sete candidatos para a Sociedade ainda estão em processo vocacional e documentacional, para poderem vir até a Sede principal em Louisiana, EUA. O atraso de todos os processos deve-se principalmente às medidas impostas pelos governos seculares sobre viagens internacionais por conta da COVID-19.


Que Deus Nosso Senhor vos abençoe pelas orações e ajudas. 

Abbé Charbel Sant'Ana, SSSp (Vigário Geral)

Na data desta postagem, também foi adicionado ao blog a opção de "seguir" na barra lateral.

Ordenação sacerdotal:
















Ordenação Sub-diaconal:









quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

DO ANTILIBERALISMO - Rev. Pe. Hervé Belmont (1985)

“Eu não creio no antiliberalismo! Creio que somos antiliberais, sem o saber, ao aderirmos plenamente à verdade.” (Rev. Pe. Guérard des Lauriers)


Vós me perguntais, caro amigo, se sou antiliberal. Sou – com a graça de Deus, espero ser – antiliberal, mas não “um” antiliberal. A nuança é significativa e vale que nos detenhamos nela. 


1. O antiliberalismo não é um princípio, nem de pensamento, nem de ação. Não pode e não deve ser senão consequência – necessária – do amor à verdade e do espírito de fé (são uma só coisa no batizado). Fazer do antiliberalismo um princípio é verdadeira subversão, que tem consequências muito graves no exercício natural da inteligência, cuja única regra é a verdade, e conduz ao pragmatismo: é verdadeiro o que é antiliberal, ou seja, o que se opõe aos liberais… ou àqueles que decretamos tais [cf. infra n.º 6]. É interessante notar, para confirmar isso e prevenir uma objeção, que o juramento antimodernista instituído por São Pio X não é feito de maneira isolada e autônoma, mas como apêndice (como consequência) da profissão de fé de Pio IV. 


2. O erro contemporâneo mais fundamental, nos séculos XIX e XX, certamente não é o liberalismo. Ao meu humilde parecer, é o naturalismo, do qual o liberalismo não é outra coisa que uma consequência gravíssima, assim como, de resto, o racionalismo e o modernismo. Se eu tivesse de me declarar anti-algo por princípio (mas, ainda outra vez, isso não pode ser um princípio), seria anti-naturalista. 


3. Acrescento, inclusive, que a profissão de antiliberalismo-princípio acomoda-se muito bem com um certo naturalismo, e mesmo conduz a ele inelutavelmente quando se aplica à Igreja. Isso é manifesto naqueles que veem no liberalismo a explicação última da crise da Igreja: O concílio Vaticano II é liberal, Paulo VI foi liberal, João Paulo II é liberal… tudo se explica, e podemos fazer o que quisermos! O testemunho da fé exige coisa completamente diferente: o reconhecimento (teórico e prático) da ausência da Autoridade. [...] 


4. Ademais, não é sem reserva que considero a opinião (mais ou menos comum) dos antiliberais sobre numerosas questões. Atendo-nos ao âmbito histórico, os juízos deles sobre a concordata de 1802, sobre o “ralliement” ou sobre a condenação da Action Française, embora comportem aspectos perfeitamente verdadeiros, parecem-me inadequados, quando não inaceitáveis. A Igreja é uma sociedade sobrenatural, e todo juízo a seu respeito que não seja essencialmente iluminado pela fé descarrila. As causas humanas e as consequências naturais, embora sejam reais e muitas vezes bem analisadas pelos antiliberais, não passam de causas segundas. A natureza é o suporte da graça (sempre) e o instrumento do exercício da graça (conforme a ordem providencial ordinária): as deficiências naturais podem obstruir a graça, mas esta permanece transcendente. Que aconteceria se se aplicassem os critérios e juízos dos antiliberais-por-princípio à escolha de Nosso Senhor tomando Judas como Apóstolo? Esse exemplo manifesta de imediato os limites desse sistema, limites que obrigam a manter a reserva. 


5. Haveria que examinar o aspecto moral desse antiliberalismo-princípio. Com efeito, todo desequilíbrio na inteligência traz frutos desastrosos na ordem moral e, no caso que nos ocupa, expõe particularmente a pecados como o juízo temerário, a desconfiança universal, a maledicência ou mesmo a calúnia, a prevenção desfavorável sistemática, que – além das ofensas feitas à justiça ou à caridade – obscurecem, por sua vez, a inteligência, separando-a de seu objeto e de sua única regra: a verdade. 


6. No n.° 1 desta carta, eu vos disse que tomar o antiliberalismo como princípio conduz ao pragmatismo, que consiste em ter como verdadeiro aquilo que se opõe aos liberais ou àqueles que decretamos tais. Existe aí uma dificuldade que vai agravar os extravios desses antiliberais, na ordem doutrinal e na ordem moral. Numa sociedade em ordem, já é difícil de reconhecer com toda a certeza um liberal: os homens não são feitos de um só bloco, e pode-se facilmente considerar liberalismo o que não passa de falha num caso particular, ou intenção mais elevada e mais sábia que ignoramos. Mas, numa sociedade em desordem na qual pululam os erros e os falsos princípios, e mais ainda numa sociedade que está fundada sobre falsos princípios, o discernimento torna-se ainda mais difícil, e muitas vezes aleatório. Pude, por minha parte, observar o fenômeno no seio da fraternidade São Pio X (“já no meu tempo!”): a acusação assassina [e geralmente não-doutrinal] de liberalismo rejeitou talvez para as trevas exteriores algumas almas que tinham muito simplesmente solicitude pela Igreja ou um coração de bom pastor. Escrevendo-vos isso, não pretendo resolver todos os problemas; espero simplesmente permanecer na linha daqueles que me parecem ter lutado do modo mais justo e mais eficaz pela verdade e contra os inimigos da Igreja; penso num Dom Guéranger, num Padre Emmanuel ou num Padre Berto, por exemplo. Que Nossa Senhora nos dê o amor à verdade e evite que caiamos em escolhos ou inversões que, definitivamente, são muito prejudiciais à “causa de Deus”.


Fonte e Tradução desconhecidos. 

sábado, 24 de outubro de 2020

COMO MORRE UM HOMEM DE DEUS (Morte de Mons. Guérard Des Lauriers)

Por Padre Giuseppe Murro

 


Nunca poderemos agradecer suficientemente ao Senhor pelas graças que nos dá; mas o favor que a Divina Providência me concedeu, de poder assistir espiritualmente Dom Guérard des Lauriers durante os 45 dias de sua hospitalização, é tal, que se sente mais claramente a própria indignidade diante de tal benefício. Dom Guérard foi internado no hospital Cosne sur Loire em 10 de janeiro de 1988; ele morreria lá no dia 27 de fevereiro seguinte.


Mons. Guerad em seu leito
A doença

Monsenhor Guérard sofria de uma grave insuficiência hepática que o obrigou a seguir uma dieta especial. Em outubro de 1987, sofreu uma nova deterioração, acompanhada de uma dolorosa insônia, com crises frequentes que o deixavam sem forças.

A alimentação tornou-se cada vez mais difícil, pois ele não conseguia mais assimilá-la, então, em 10 de janeiro, ele foi forçado a entrar no hospital. Alimentado apenas por infusões, ele estava em um estado de extrema fraqueza; costumava passar as noites em crises terríveis, sujeito a contrações musculares que sacudiam todo o seu corpo.

Em geral, de manhã cedo, conseguia descansar. Durante o dia, as dores no fígado continuavam a ser sentidas, às vezes de forma aguda, a menos que se virasse de lado: mas o fato de manter-se na mesma posição, provocou feridas que o obrigavam a mudar de lado, com a consequente volta da dor no fígado.

Os resultados das análises revelaram a presença de um tumor no cólon sigmóide, com metástases no fígado e provavelmente em um rim: dado o estágio avançado da doença, o fígado em particular estando completamente comprometido, a ponto de não poder garantir qualquer função, não era mais possível considerar algum tratamento.

Como não conseguia mais engolir, as secreções causavam-lhe uma saliva contínua que o impedia de falar com clareza. Além disso, ao chegar ao hospital no final da noite de 10 de janeiro, eles o colocaram em um quarto que ainda estava frio, causando-lhe bronquite.

 

“Quando sofro menos - disse monsenhor nos primeiros dias de internamento - penso que poderei escrever um pouco, mas assim que tento fazer os gestos, fico deficiente”. E, no entanto, monsenhor não hesitou em escrever cartas e documentos, quando o considerou necessário. No final de janeiro e início de fevereiro, ele havia recuperado as forças para conseguir levantar-se um pouco, dar alguns passos na sala e sentar-se várias horas por dia.

Mas então os sintomas voltaram, a fraqueza aumentou, o corpo começou a sentir o cansaço de uma prova tão longa que teria terminado antes, se a forte constituição de monsenhor não tivesse resistido ao mal persistentemente.

Não é todo dia que se vê um religioso preparar-se, em meio ao sofrimento da doença, para morrer bem; é ainda mais raro ver um teólogo que soube responder aos problemas mais difíceis, continuar com a investigação especulativa nos momentos que precedem a sua morte; mas é ainda mais raro ver - e eu diria contemplar - um homem de Deus se preparando para deixar esta terra para encontrar seu Criador.

 

O Religioso

 

Monsenhor Guérard deu o exemplo de um religioso. Em seu leito no hospital, ele sempre tinha seu rosário em mãos; frequentemente convidava seus visitantes para recitar algumas orações com ele; pedia a todos que rezassem para que ele permanecesse fiel ao cumprimento da vontade de Deus.

Desde os primeiros dias de sua hospitalização, ele não hesitou em se desculpar por seus defeitos: “Peço desculpas pela minha impaciência, pela falta de edificação que poderia ter sido para vocês; eu poderia ter feito mais por vocês, mas agora pelo menos estou fazendo tudo o que posso”.  Em 12 de janeiro, ele queria fazer uma confissão geral. Pensava no bem das almas: mais de uma vez declarou que tudo oferecia pela Igreja, por (seu) Instituto, pelos fiéis:

"Enquanto eu puder atribuir uma intenção: é para vocês, para o seu trabalho, para o Seminário de Orio, para que se tornem missionários de Maria, segundo o propósito tão bem expresso por São Luís Maria Grignon de Montfort."

 Ele atuava pelo bem das almas: qualquer que fosse a questão que o propusesse, nunca deixou de dizer, ainda que fosse uma palavra, uma frase necessária para o bem espiritual do interlocutor. Pode-se dizer que o sofrimento lhe deu uma luz especial, fazendo-o compreender o estado de alma das pessoas que se aproximavam dele. Dos médicos às enfermeiras, com todas as pessoas procurou cumprir o seu dever de religioso, visando a salvação de suas almas.

Ele não falava muito com todos os seus conhecidos que vinham visitá-lo, mas o que ele dizia realmente vinha da abundância do coração; nada convencional, mas palavras destinadas a serem gravadas no espírito do ouvinte. Ele encorajou todos a permanecerem fiéis "usque ad mortem", até a morte, apesar das provações e perseguições que pudessem ocorrer.

 

O Teólogo

 

Monsenhor Guérard ensinou durante toda a sua vida; em sua cama de hospital nos deu talvez o melhor de seu ensinamento, aquele que toca diretamente a salvação das almas.

“A oração que faço quase constantemente: 'Ó meu querido Salvador, que meu corpo compartilhe tua Agonia em um desejo infinito’. Sempre encontro uma nova profundidade em cada uma dessas palavras, participar da agonia de Jesus é algo tão imenso, sem medida, que nunca vamos terminar de aprofundar. E estou vivendo mesmo isso, por assim dizer ”.

É sabido que manteve sua lucidez quase até ao fim, para grande espanto dos médicos e enfermeiras; e apesar da fraqueza e do cansaço, ele continuou a pesquisar a verdade sobre várias questões. Quer sejam argumentos doutrinários, respondendo aos visitantes, aos padres, para esclarecer, explicar, aprofundar certos aspectos da Tese de Cassiciacum. Quer sejam argumentos de ordem pastorais: continuo a vê-lo sentado na cadeira do seu quarto de hospital, mostrando a padre Ricossa e a mim, a situação de quem falta fervor, que perde o desejo de abraçar toda a verdade, que se deixa ir e finalmente parando em posições menos exigentes e mais confortáveis. Quantas pessoas, até padres, procuram o número, mas não a verdade: para manter um maior número de “fiéis”, eles devem se calar sobre certas coisas, traindo a integridade da verdade. Não nos deve surpreender, acrescentou, que seja sempre assim, mas quem mistura a verdade com o erro não é para durar: assim como os híbridos não se reproduzem na natureza, também estas pessoas não poderão continuar assim por muito tempo: eles se alinharão ou de um lado ou do outro.

“Aceitar um compromisso, mesmo para um bom propósito, é um erro de raiz: não foi o que Jesus fez, especialmente quando morreu. Portanto, não se deve fazer isso de forma alguma. Não importa, nós continuaremos sendo um pequeno grupo”.

 

Monsenhor não deixou de nos aconselhar, com grande delicadeza, para o nosso ministério, sugerindo que não sejamos apenas missionários, mas também pastores das almas que o Senhor nos confia: “A intuição de São Luís Maria Grignon de Montfort deve ser realizada. É o que já estão fazendo, aliás, mas devem ir além na comunicação da verdade. Desculpe, em vez de se tornarem mais missionários do que pastores, que seu papel missionário se estenda ao de pastores. O que é difícil, muito difícil, mas creio que o Bom Deus os dá a luz, a força e o amor para cumprir esta tarefa: uma vez que alguns tenham compreendido e estejam com vocês, muitos mais virão”.

 

 

O homem de Deus

 

Quando Mons. Guérard Des Lauriers foi hospitalizado, não conseguia mais engolir uma gota d'água. E ainda, todos os dias, ele foi capaz de receber a Sagrada Comunhão como o único alimento. Viveu por e para a Eucaristia, sua única alegria, que irradiava e transmitia aos demais. Depois da Comunhão, prolongava sua ação de graças, durante a qual se via, por assim dizer, sensivelmente sua alma plena do sobrenatural, e algumas vezes compartilhava com os presentes o que havia descoberto e meditado. Nunca esquecia de agradecer a quem o levava a Sagrada Comunhão:

“É o Viático que dá a medida de tudo, o desejo, o desejo infinito, a participação na agonia e a penetração da medida infinita da agonia de Jesus. É a Comunhão que determina a medida da Cruz que devo carregar para este dia”.

 

Monsenhor não rejeitou a Cruz que o Senhor lhe enviou: aceitou-a com total abandono em união com os sofrimentos de Nosso Senhor durante a Sua Paixão:

“É o grau que conta. O grau na agonia, o grau no abandono, o grau no desejo. Eu desejei a cruz. Esse é realmente a lei do Amor. Quando estamos lá, é menos fácil do que se imagina. Mas a graça do Bom Deus está aí. Temos desejos generosos, quando temos que cumpri-los é mais difícil”.

 

Ele não escondeu a luta interior que estava tendo naquele momento: pedia a todos suas orações “para que ele seja fiel, para que fique abandonado”. Ele raramente reclamou, embora seu rosto mostrasse o esforço no teste. Alguém pode pensar que, em meio a tanto sofrimento físico, a presença do Senhor o confortou, como uma compensação pelas dores do corpo. Mons. Guérard bebeu até o fundo do cálice amargo da Paixão, imitando o Nosso Salvador, na desolação espiritual, privado das graças sensíveis que o Senhor concede para nos ajudar a suportar as dores quotidianas. Jesus parecia abandonar sua alma e se calar:

“É um grande silêncio. É fé, fé pura, de modo que permaneço aberto a um como ao outro: à cura milagrosa ou à morte”.

 

Mas em meio a tantas tribulações, monsenhor nunca cedeu a movimentos de relaxamento ou desespero:

“Repito muitas vezes: 'Não recuso laborem, não me nego a trabalhar', se o Bom Deus me deixa na terra. Acho que posso dizer: estou verdadeiramente em completa indiferença. Deixe que Ele me use como quiser. Tudo o que quiser".

 

Todas essas ações eram sobrenaturais. Mesmo nos momentos de maior sofrimento, dirigiu o olhar para as imagens, reunidas em tríptico, dos Santos Protetores da sua Ordem: São Domingo, Santo Tomás de Aquino, Santa Catarina. Quando recebia a Sagrada Comunhão, era um exemplo de devoção e piedade, pelo recolhimento interior e pela fé que se refletia em todos os seus gestos. Que sua alma era pura e recebia luzes particulares, isso se via em seus olhos: límpidos, de extraordinária clareza, pareciam imersos na visão das coisas celestiais, na posse e na contemplação da Verdade: tanto que todo o seu rosto Parecia irradiar com essa luz e transmitia a qualquer pessoa que pudesse vê-lo.

Muitos iam visitá-lo, muitas vezes para encontrar conforto com ele: monsenhor ouvia, às vezes dava respostas curtas, mas na maioria das vezes ficava em silêncio; depois, em reconhecimento da visita, era o seu sorriso luminoso que dava e enchia a alma de quem o recebeu. Quando falava de qualquer coisa, ia ao fundo da questão, mas como esse esforço generoso lhe causava um grande cansaço, as pessoas que o conheciam bem desistiam de lhe fazer perguntas para não pesar nas provas; e as visitas eram feitas em silêncio, não vazias, mas mais expressivas do que muitas palavras.

 

O fim


Durante a segunda quinzena de fevereiro, o estado do paciente continuou a piorar: suas noites eram apenas angústias e convulsões e seus dias exaustão, fadiga e fraqueza. Depois de uma noite em que se sentia particularmente mal, quis fazer uma segunda vez a sua confissão geral: percebeu, sem dizê-lo, que nunca mais se levantaria. Seu rosto estava abatido e sua cabeça, que ele costumava inclinar para aliviar a dor, não podia mais ser levantada sem ajuda.

Na terça-feira, 23 de fevereiro, ele recebeu a Sagrada Comunhão como viático, o que foi muito reconfortante. Nos dois dias seguintes, ele conseguiu receber apenas um fragmento da Hóstia. Por muitos meses, monsenhor sofreu uma espécie de amargura interior da qual havia pedido ao Senhor que o libertasse.

 

Foi ouvido na quinta-feira, 25 de fevereiro, e foi uma manhã de tão grande consolo que ele falou sobre isso para aqueles ao seu redor:

“A Santíssima Virgem removeu a amargura e a angústia. Por isso, pedi permissão à Santíssima Virgem para continuar a alegria da crucificação ou para continuar nesta alegria. Portanto, é para mim um sinal da sua solicitude materna. É uma grande graça de serenidade. Sofro muito e é na paz da vontade do Bom Deus que isso deve se cumprir plenamente em mim. Só tenho que continuar no caminho que o Bom Deus me colocou desta forma, o que é certamente muito doloroso, mas responde a todas as condições que senti que deviam ser preenchidas. Por isso, convido-vos a dar graças, a continuar na ação de graças, na confiança e no abandono. Isso é o essencial que gostaria de vos dizer esta manhã, pois é um grande acontecimento na minha vida e que vos confirma na grande convicção da verdade.

Misericordias Domini in æternum cantabo. Peço-lhes então que não estejam tristes, mas em ação de graças e alegries. Perseverem com ardor, entusiasmo. Não poderia ter havido um sinal maior, dada a situação. Desejo que esta notícia seja um consolo e um alento para perseverar na mesma alegria, na mesma certeza, na mesma Fé. Ainda sofro muito, mas este é o programa: que Deus nos preserve nesta graça, porque é frágil. Deus pode retirá-lo se nos gabarmos do favor que recebemos, mas espero que a humildade nos proteja deste perigo e deste erro”.

 

Momentos depois, monsenhor perguntou se era sábado: ao saber que era quinta-feira, ficou triste por ter de esperar mais dois dias. Previu que deixaria a terra no dia dedicado à Santíssima Virgem? Foi a impressão dos presentes. Esperava visita pela tarde: pediu que a pessoa fosse trazida mais cedo, antes do horário marcado; mas não foi possível. No início da tarde, monsenhor, devido a sua grande fraqueza, já não tinha forças para falar; apesar de seus melhores esforços, ele não conseguiu falar com o visitante.

 

Na sexta-feira, 26 de fevereiro, pela primeira vez, não foi possível receber a comunhão: não conseguia mais abrir a boca e, apesar da ajuda dos assistentes, suas mandíbulas ainda estavam contraídas. Ele chorou quando percebeu que tinha que fazer o sacrifício até mesmo do que era mais querido para ele neste mundo, Jesus no Santíssimo Sacramento. Então ele fechou os olhos e entrou em uma solidão que ninguém pôde acessar.

Quando ele era chamado, seus olhos eram forçados a abrir-se, mas não havia reação em seus membros. A respiração estava difícil devido a outra bronquite, o esfriado corria o risco de sufocá-lo e as enfermeiras colocavam sondas nasais muito dolorosas.

Ao vê-lo, não se podia deixar de evocar o Homem das dores, Nosso Senhor sofredor durante a sua Paixão: desde a parte superior do corpo às solas dos pés tudo padecia: no nariz o cateter, perfusão no pescoço, as artérias dos braços perfuradas pelas infusões anteriores, o sistema digestivo, o epicentro de suas dores, os pulmões congestionados pelo catarro, os quadris e pernas com feridas, um cateter urinário , pés inchados. As pessoas presentes, após terem recitado as orações pelos moribundos, permaneceram ao lado de sua cama rezando.

No dia 27 de fevereiro de 1988, por volta das 3 da manhã, sua respiração se acalmou de repente, como se o esfriado tivesse desaparecido, e enquanto os acompanhantes recitavam as orações pelos moribundos, sua alma partia para o Senhor: eram 3 horas e 10 minutos. O corpo tinha parado de sofrer, todos os membros pareciam encontrar um pouco de descanso e o rosto parecia adquirir uma expressão mais calma. Monsenhor havia terminado sua paixão.

 

Não se encontrou semelhante a ele na observação da lei do Senhor

 

Monsenhor sempre teve uma terna devoção à Santíssima Virgem. Agora que ele partiu, agora que sofremos a dor de sua morte, agora que sentimos sua ausência, agora que nos sentimos compelidos a chorar de dor como órfãos que acabam de perder o pai, mesmo por esses momentos monsenhor pensou em nós e nos deixou a consolação das suas palavras, deixou-nos a sua devoção à Santíssima Virgem, a “Inviolata”.

“Existem dois nomes:‘ Imaculada Conceição ’e‘ Fulgida Coeli Porta ’: mas é a mesma realidade sublime e quase divina de nossa Mãe que adoramos como efeito da Sabedoria do Bom Deus. Se horas dolorosas vierem, por tudo o que vai acontecer, que seja o seu canto interior: 'Inviolata', depois 'Fulgida Coeli Porta'. Que esta declaração do céu o livre das dores da terra. Que esta canção cante em seu coração e te encante.

É preciso algo para isso, um pouco de vontade para se separar de todas as contingências com as quais não podemos deixar de lidar. Mas ainda assim, vou rezar para que eles tenham a graça e que essa música embale sua vida inteira, onde quer que aconteça. Espero que, com muita vontade e fervor, esta alegria celestial - que nos faz viver um pouco no Céu, já na terra - sustente vocês. Que este seja o seu viático, que vocês carregam em seus corações.

A serenidade confortará as outras almas vegetantes, por assim dizer, porque ignoram estes esplendores que o Bom Deus põe misericordiosamente à nossa disposição. Meus queridos filhos, cuidarei de vocês do alto do céu como se ainda estivesse na terra: que o Bom Deus faça a sua Santa Vontade.

O maior presente que ele nos dá é nossa mãe. Ela é a sua Mãe, a sua Mãe para cada um e saberá encontrar na sua Inteligência, no seu Coração, na sua Ternura, os acentos que vão consolar as suas almas, que vão secar as suas dores, que vão transformar até as lágrimas em pedras preciosas para o céu. E não há nada mais lindo na terra do que as lágrimas derramadas de amor. Bem-aventurados os que choram porque serão consolados e bem-aventurados os que choram porque consolam Jesus e consolam a sua mãe. Eles são como pérolas brilhantes na terra onde há tanta podridão, pecado ou coisas que são nojentas para Deus.

Mas quando o Bom Deus vê as almas que choram de Amor, que aceitam em lágrimas, com muito amor, o presente que o Bom Deus lhes dá - de dar-lhes uma Mãe que zela por elas - o Bom Deus se consola e acalma seu olhar irado que cairia sobre a terra por causa do pecado: Ele não pode descuidar, não levar em conta essas lágrimas interiores. Portanto, não tema se lhe for dado o dom de chorar, de chorar estas lágrimas de amor pensando na ternura de sua Mãe no céu, na Imaculada e na resplandecente Porta do céu.

Agora, essas verdades devem ser vividas, até o momento em que perto da morte, a consumação de própria Maria seja alcançada. Eu os confio a ela. E continuarei a fazê-lo do alto do céu, na esperança de que o Bom Deus me prive da miséria eterna por causa de Maria, minha mãe. Acima das vicissitudes da terra que temos que viver, que esta canção prevaleça acima de tudo e que assim suas legítimas lágrimas se acalmem, se transfigurem, para que se tornem pedras brilhantes que enfeitam a ‘Fulgida Coeli Porta’”.

 

Todas as citações são palavras de Mons. Guérard Des Lauriers registradas durante sua internação no hospital.

 

(Sodalitium nº 18)


Fonte: Sodalitium 

Tradução: Semper Catholicam

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

A DEVOÇÃO DOS CINCO PRIMEIROS SÁBADOS

 No dia 13 de junho de 1917, os três pastorzinhos de Fátima viram a Nossa Senhora. A Virgem Maria tinha em sua mão direita seu coração transpassado de espinhos. A Santíssima virgem Maria então disse à Lúcia:


"Jesus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração. A quem a pratique prometo a salvação, e essas almas serão queridas de Deus como flores colocadas por mim para enfeitar meu trono." 

Em 13 de julho a Rainha do Céu lhes disse: 

"... Se se faz o que lhes direi, muitas almas se salvarão... virei pedir a comunhão reparadora dos primeiros sábados".

 Em linha direta com as aparições de Fátima, a promessa de Nossa Senhora se cumpriu em 10 de dezembro de 1925 em Pontevedra (Espanha), onde Lúcia era nesse então uma jovem postulante à vida religiosa. Irmã Lúcia descreveu esta aparição com a qual a Santíssima Virgem deu ao mundo a assim chamada devoção dos cinco primeiros sábados do mês, com as seguintes palavras: 

"No dia 10 de dezembro de 1925, a Santíssima Virgem apareceu, e ao lado, supenso em uma nuvem iluminada, o Menino Jesus. A Santíssima Virgem, pôs a mão sobre o seu ombro e lhe mostrou ao mesmo tempo, um coração coroado de espinhos que tinha na outra mão. 

Ao mesmo tempo o menino a disse: 

- Tenha compaixão do Coração de sua Santíssima Mãe repleto de espinhos que os homens ingratos lhe perfuram continuamente, sem que haja alguém que faça um ato de reparação para tirá-los. 

Logo a Santíssima Virgem a disse: 

- Olhe, minha filha, meu coração repleto de espinhos que os homens ingratos perfuram continuamente com suas blasfêmias e ingratidões. Tu, pelo menos, procura consolar-me e diga que todos aqueles que durante cinco meses, no Primeiro Sábado,  se confessem, recebam a Santa Comunhão, rezem o terço e me façam companhia durante 15 minutos, meditando sobre os quinze mistérios do rosário, em espírito de reparação, eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação de suas almas".

 É importante dizer que não é Lúcia quem inventou essa devoção, se não que foi Nossa Senhora mesma quem nos a deu. Quem melhor que a Santíssima Virgem mesma para ensinar-nos a consolá-la. Portanto é uma devoção para a termos seriamente. A Virgem de Fátima pede que façamos quatro exercícios muito fáceis:


A CONFISSÃO

 Pode fazer-se dentro dos oito dias (ou ainda mais) antes ou depois do primeiro sábado. O importante é confessar-se com a intenção de reparar com esse ato, ao Coração Imaculado de Maria. 


A COMUNHÃO

 Evidentemente que deve ser recebida em estado de graça. Se alguém não pode ir à Missa no primeiro sábado, os sacerdotes podem permitir recebê-la também no domingo seguinte. Se oferece esta Comunhão para reparar as ofensas que sofre o Coração Imaculado de Maria. 


A ORAÇÃO DO TERÇO

 É suficiente rezar os cinco mistérios, mas sempre com espírito de reparação... mas por acaso não rezamos todos os dias? 


OS 15 MINUTOS DE MEDITAÇÃO

 Aqui não se deve confundir com rezar o Rosário. Diz irmã Lúcia: "é fazer companhia a Nossa Senhora durante 15 minutos, meditando sobre os mistérios do Rosário".

 Pode-se escolher um ou alguns dos mistérios (por exemplo: os cinco mistérios dolorosos e se medita uns três minutos sobre cada um deles). Por razões justas, pode fazer-se também no domingo, sempre com espírito de reparação. 


POR QUE CINCO SÁBADOS?

 Durante a noite do dia 29 ao 30 de maio de 1930, irmã Lúcia perguntou a Nosso Senhor: "Por que se exigem cinco sábados e não nove ou sete em honra das sete dores de Nossa Senhora?", e Jesus lhe respondeu:

"Existem cinco espécies de ofensas e blasfêmias que se proferem contra o Coração Imaculado de Maria:

 1. A blasfêmia contra a Imaculada Conceição, 

 2. As blasfêmias contra sua virgindade, 

 3. As blasfêmias contra sua maternidade divina, recusando ao mesmo tempo reconhecê-la como Mãe dos homens, 

 4. As blasfêmias daqueles que procuram publicamente fazer nascer nos corações das crianças a indiferença e o menosprezo, ou até o odio em relação a essa Mãe Imaculada, 

 5. A indiferença daqueles que a ultrajam diretamnete em suas santas imagens". 


"... Eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação de suas almas". 

 Maria Santíssima que não se deixa limitar em sua generosidade, promete aos que pratiquem essa devoção a graça das graças, a Vida Eterna. Façamos esforço, portanto, para cumprir seu fervoroso desejo, e ajudemos a Nossa Senhora, dessa forma, a salvar muitas almas. Salve Maria! 


Semper Catholicam

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Uma epidemia pode ser maior que a Igreja Católica?

São João Bosco e a Peste da Cólera

"Não podemos dar sacramentos! Não somos fideístas! Não podemos arriscar-nos! Temos medo da epidemia! Também somos gente! Podemos ser presos! A "Igreja" diz. O Governo diz!".
Na História da Igreja vemos exemplos sublimes de sacerdotes que deram suas vidas por defender a Fé. Vemos os apóstolos que foram presos e martirizados por levar a Fé em Nosso Senhor Jesus Cristo às nações. Vemos outros mártires nos anos mais modernos que foram torturados antes de suas mortes por não renegarem a Cristo. Vemos um São João Bosco com seus "filhos" do oratório que saíram às ruas para cuidar dos que estavam sendo atacados pela a epidemia de cólera, etc.
"Sim, verdade!" -alguns podem dizer- "Mas eles são santos e inspirados por Deus! Não podemos seguir seus exemplos porque será fideísmo e isso é condenado pela a Igreja. Não podemos seguir seus exemplos porque eles eram diretamente inspirados por Deus. Não podemos seguir seus exemplos, porque... porque...". Bom, vemos que há muitos "porquês".
Deus criou a Igreja Católica como "Sociedade Perfeita". O que seria uma "Sociedade Perfeita"? Podemos dizer que uma Sociedade Perfeita é aquela que "basta a si mesma para poder existir, sem depender de nenhuma outra". Por que Deus fez a Igreja como uma Sociedade Perfeita? Como já nos mostrou a história, a Igreja teve muitas vezes que desobdecer regras em nome de um bem maior. De um bem que se chama: "salvação das almas" (Salus animarum). Por esse motivo principal a Igreja Católica tem o direito divino de ser uma Sociedade Perfeita, para que nada a possa impedir de realizar sua missão nesse mundo.
A Salvação das Almas é a lei suprema da Igreja (Lex Suprema Ecclesiae salus animarum est). Essa lei tem uma natureza distinta de outras leis. As leis normalmente servem para regir os homens, uma Sociedade, uma nação, etc. Algumas leis têm origem divina (como as leis do decálogo ou as leis naturais) e outras têm sua origem nos homens, ou seja, de Sociedades e Nações. A lei da Salvação das almas tem origem divina, pois Deus (Criador do céu e da Terra, que existe por Sí mesmo e não depende de nossa crença para Sua Existência) deseja que todo homem vá ao céu, mesmo se alguns escolherem não ir, a vontade de Deus é de fazê-los ir. Por isso essa lei é a mais importante para a Igreja. Ninguém tem o direito, portanto, de proibir as atitudes que possam vir a ser tomadas para que essa lei venha a ser cumprida, nem mesmo os homens da Igreja ou a mais alta autoridade secular que possa existir. Ninguém. E essa lei não muda com o tempo, pois é uma lei criada por Deus que é eterno.
Deus instituiu a Igreja para salvar as almas através de seus meios. Esses meios são Sua doutrina e os Sacramentos instituídos pelo o próprio Cristo, que nos dão e nos restituem a Vida da Graça. Esses meios tampouco dependem da existência de alguma lei civil para existirem. Eles existem porque Deus mesmo o quis assim. Por isso mesmo a Igreja é uma Sociedade Perfeita, para poder obedecer independentemente de qualquer fato externo a Lei da Salvação das Almas, para que essas almas possam conhecer, amar e servir a Deus nesse mundo para portanto ir ao Céu viver eternamente com Deus.
E a quem a Igreja deu essa missão de levar os meios de salvação à todas as pessoas para poder ir ao Céu? A Igreja deu essa Missão a seus Ministros Ordenados. Eles são os responsáveis da missão dada por Deus mesmo à Igreja para levar as almas até Deus Nosso Senhor. Eles são homens que são usados como meios por Deus para trazer-nos pela a primeira vez a Vida de Cristo em nossas almas, através do Batismo. Eles são os responsáveis para perdoar aqueles pecados que cometemos após o Batismo, através do Sacramento da Confissão. Eles são os homens que nos fazem ter o grande júbilo de receber o Corpo mesmo de Cristo em nossas Comunhões. Eles nos confirmam na Fé. Ordenam a outros homens que escutam esse chamado de servir como eles à Igreja de Cristo. Eles são aqueles que formalizam a vida de uma família através do Sacramento do Matrimônio. E por fim, são os mesmos que nos dão o conforto final na hora de nossa morte. Portanto, esses homens são essenciais para que possamos chegar ao céu.
Os santos sabiam disso quando eles agiram e foram mortos em diversas circunstâncias. Mas... foi a ocasião que fez o santo ou o santo já era santo na ocasião? Não podemos saber com certeza de qual forma um santo era inspirado para agir em uma crise: como no mártirio ou em uma epidemia. O que sabemos é que independente da forma, Deus agiu nos homens da Igreja para que fizessem a ação correta nas dinstintas cisrcunstâncias, como por exemplo, a ação de São João Bosco durante a cólera na Itália ou quando Marcos Ji Tiankiang foi martirizado sem negar a Deus. Detalhe, o último viveu sua vida viciado em ópio. Mas Deus mesmo assim lhe presenteou com o martírio.
O clero que diz: "não podemos ajudar nossos fiéis a salvar suas almas através dos sacramentos", está correto? Será que não deveria dar os sacramentos (meios de salvação) na hora em que as almas mais necessitam? Será mesmo que tomar alguma atitude, tendo em vista todos os princípios que foi dado é questão de "fideísmo" como quer fazer crer um certo sacerdote conhecido? Será mesmo que todos esses "porquês" não são vindos da pouca fé na ação direta de Deus no mundo? Acaso Deus não age no mundo? Acaso devemos desobedecer as leis da Igreja e portanto de Deus, para obedecer as leis dos homens? Será que estaríamos preparados para receber a Graça de Deus em um martírio? Será que não deveríamos pelo menos tentar trocar os "porquês" pelos "Serás"? Já que uma certeza os senhores sacerdotes do Senhor não têm? Será?
Ah! O mesmo se aplica aos fiéis. Muitos desanimam seus sacerdotes dizendo para eles: "não faça nada, espere". Uma única coisa podemos dizer disso: não se faz mais católicos como antigamente. Que Deus Nosso Senhor e a Santíssima Virgem Maria nos ajude nesses tempos e em outros que virão a não renegá-los através de nossas ações e palavras.

Abbé Charbel Sant'Ana

quinta-feira, 26 de março de 2020

Os Evangelhos são Verídicos?



Salve Maria!

Inscreva-se no nosso canal no Youtube para acompanhar nossas aulas.
Iniciamos uma série de aulas, atualizadas em cada sábado, para os que desejam conhecer melhor a Fé Católica ou que ainda estão começando a conhecer.

Conteúdo da 4ª Aula:
1. Sepultura, Ressurreição e Ascenção de Cristo.
2. Quatro Evangelhos
- Características dos 4 Evaneglhos.
4. Devemos crer em tudo no Evangelho?
5. Autenticidade dos Evangelhos.
6. Integridade dos Evangelhos.
7. Veracidade dos Evangelhos.
8. Os racionalistas.
9. Rousseau e os Evangelhos.

Contato: abbecharbel@outlook.com



O padre que teve acesso ao Terceiro Segredo de Fátima




Aqui vemos em pé, com batina e sobrepeliz, o sacerdote exorcista que trabalhou no Vaticano e teve acesso a segredos importantíssimos. Seu nome: Malachi Martin. Ele foi um sacerdote de vastíssima cultura. Conhecia profundamente a arqueologia e era especialista em culturas semíticas. Também vemos Mons. Lopez-Gastón e Rama Coomaraswamy.
Padre Martin falava fluentemente mais de 20 idiomas e exercia um dos principais cargos no Vaticano. Cremos que, para os tradicionalistas que nos acompanham, este nome não é estranho. O Padre Malachi Martin viu a entronização do demônio no Vaticano, nos tempos do Concílio, quando foi secretário do terrível Bea e teve acesso ao chamado 3º Segredo de Fátima. Entre as principais obras deste sacerdote podemos destacar: The Final ConclaveVaticanThe JesuitsThe Keys of This Blood e Windswept House: A Vatican Novel. As fotos acima provam que o mesmo aderiu ao sedevacantismo, a única resposta lógica e defensável para a crise eclesiástica que grassa nos nossos dias.


Obs: O nosso blog é adepto à tese de Cassiciacum, tese qual tenta explicar a atual crise do papado. Clique aqui para ler a tese.